Guerra de Tróia – Parte II

4 out

E então anos se passaram, para que reunissem os grandes reis de toda a Grécia. Há muito tempo, antes desta história, esses mesmos reis (a maioria deles com mais cabelos e bem mais tolos e idiotas, evidentemente), tentaram desposar Helena. Tíndaro, que não é bobo nem nada, promoveu um juramento inquebrável: todos eles, em caso de roubo, rapto ou desaparecimento, deveriam unir-se para resgatá-la, independente de quem fosse o escolhido.E o escolhido foi Menelau, rei de Esparta, reino de armas. Pobre coitado.

Deixando o momento flashback pra lá, estavam todos reunidos na ilha de Aulis, esperando o mau tempo passar. Para tanto, foram necessários apenas alguns desentraves burocráticos, como a desonra de uma deusa, um sacrifício da filha do mais poderoso rei da Grécia, e detalhes ínfimos desse tipo. E então, toda a comitiva de incontáveis navios negros partiu para Tróia.

Claro, houveram diversos saques no caminho. E esses não são os de dinheiro – os gregos eram bem mais espertos do que pareciam. Nunca inventariam nada como as instituições bancárias.

O fato é que, num desses saques, uma bela moça foi dada a Agamêmnon, mais poderoso entre os reis gregos. Tal moça chamava-se Criseida. E Crises, humildemente, na sua posição de sacerdote de Apolo, foi comprar sua liberdade. E claro, o que o rei fez? Isso, enxotou o pobre coitado do velho sacerdote.

E o velho sacerdote, assim como qualquer outro velho sacerdote faria, recorreu ao seu velho deus. E seu velho deus, mais conhecido como Apolo, escutou prazerosamente o pedido. E em pessoa (ou seria divindade?) desceu do Olimpo, portando seu arco de prata, e espalhando uma grande praga entre os gregos. O que, claro, teria deixado os troianos bem felizes se o soubessem.

Nove dias de mortes e piras fúnebres se passaram. Aquiles, o mais poderoso entre os guerreiros, com os olhos ardendos e desenvolvendo novos tipos de alergia à fumaça, convocou uma assembléia.

– Vejam bem, é tudo bmuito simples: ou pedibmos para algum profeta que dnos explique o que diabos acodntece, ou sibmplesbmente vabmos embora. BMeu dnariz está bme bmatando.
– Aquiles, você está falando de um jeito tão esquisito… – pergunta um daqueles figurantes que seguram: “Pai, estou na guerra de Tróia!”
– É ridnite alérgica. – explica impaciente o herói.
– Aquiles, filho de uma deusa, eu poderei explicar o que acontece. Claro, se você me proteger de… hum, danos físicos que essas revelações podem me causar. Sabe, não temos realmente uma grande liberdade de expressão por aqui… – respondeu Calcas, advinho famoso, cujo dom diziam ter sido concedido por Apolo.
– Tá… edntedndi. Agabmêmnôn dnão vai tocar em você, dnão se preocupe.
– Toda essa desgraça que nos foi destinada deve-se ao fato de uma escrava, que por acaso é filha de um sacerdote, ter sido negada ao seu pai. E, para compensar, ela deverá ser devolvida com todas as honras, presentes e ainda um sacrifício básico.

Claro, isso tudo causou enorme estardalhaço, e Agamêmnon queria uma compensação. E para tal, escolhe a escrava destinada a Aquiles, Briseida, que, por mera coincidência do destino, era prima de Criseida (apenas uma informação que não terá utilidade alguma para a narrativa, mas que o narrador usa de vez em quando só para mostrar que sabe de alguma coisa). Aquiles, desonrado e puto por não poder fazer nada, vai chorar no colo de sua mãe.

Thétis, por sua vez, apiedada do filho que morreria em breve, foi implorar a Zeus. Hera, obviamente, ficou ardida de ciúmes, mas depois de uma breve discussão tudo ficou bem. Ou quase isso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: